Sobre meus contos

Pessoal o banner acima está desatualizado, nas tag's à esquerda vocês encontrão todos os meus contos, ou se quiserem podem clicar aqui

domingo, 18 de agosto de 2013

Imagine



John caminhava entre os escombros de prédios e carcaças de carros quando de um buraco, em um braço do que já foi uma gigantesca estátua, saiu uma moça. Ela assustou-se, deixou cair algumas coisas. John não falou, correu para ajudá-la, ela se afastou bruscamente, porém seus olhos estavam fixos na bolsa repleta de frutas que ele carregava. Percebendo, ele tirou uma bela laranja e ofereceu, ela relutou, olhou desconfiada, mas por fim arrancou-a da mão de Jhon como se fosse preciso roubar e não simplesmente aceitar.

— Se você pensa que darei meu corpo por causa de uma laranja está enganado.

— Seu corpo? Eu jamais pediria isso.

— Também não tenho dinheiro.

— Não quero dinheiro,de nada me serviria. Pegue. — E ofereceu mais frutas.

— Por que?

— Estão sobrando.

— Mas, você nem é brasileiro, dá para perceber pelo sotaque.

— Olhe em volta. Não existem mais fronteiras. Não existem mais brasileiros, argentinos, paraguaios, japoneses, americanos… Não existem mais países. Somos sobreviventes, somos agora um povo só. — Ela continuava desconfiada, entretanto aceitou. Jhon pegou suas coisas e foi saindo, mas ela gritou, quando ele virou ela jogou uma garrafa com água. Ele agarrou no ar e escutou a moça dizer enquanto corria novamente para o buraco:

— Está sobrando!

John prosseguiu caminhando por um bom tempo. No que aparentemente fora em alguma época uma escola, algumas crianças passaram correndo. Riam e brincavam, não tinham medo por ele ser um forasteiro. Ele correu com elas e gargalhou, ficando espantando como com si mesmo, teria passado o dia naquela brincadeira, no entanto, o pai do pequenino casal apareceu apontando uma faca e arrastou os filhos pelos braços. John apenas sorriu com as mãos levantadas.

— Não há mais necessidade disso. A guerra acabou. — Disse.

— Vá embora! — Gritou o homem.

— Fique em paz.— Ele respondeu. As crianças, escondidas do pai, deram tchau e mandaram beijos. Assim Jhon seguiu seu caminho feliz com aquilo. Finalmente, depois de quase um dia de caminhada chegou aonde queria. Ele tinha avistado do alto do morro um pequeno ponto amarelo em meio ao terrível cinza dominante. Eram flores. Uma curta faixa de terra repleta de flores amarelas. Sentou-se, sentia o perfume, um cheiro que aplacou a alma. Tocou nas pétalas. Tão delicadas…

— Não arranque! — Uma linda jovem segurava uma velha espingarda; mas era nítido que não sabia usá-la, pois tremia bastante.

— Não arranque por favor. Levou muito tempo para que crescessem. — Falou dessa vez quase implorando.
— Eu não iria arrancar. Seria um crime. — Ficaram um tempo em silêncio.

— Você não é daqui. Para onde vai?

— Essa é uma boa pergunta. Não sei para onde vou. Não faço planos para o amanhã, tento apenas sobreviver e ser feliz no hoje.

— Felicidade? No mundo de hoje?

— Olhe para você, apoiando uma arma no chão com o cano voltado para o próprio peito. E por que isso? Para defender simples flores. Isso mostra que você já achou algum alento. — Ela assustou-se quando percebeu a forma que segurava a arma e largou imediatamente, meio sem jeito falou:

— Verdade, vê-las crescer onde eu jamais imaginei que pudesse brotar vida me faz feliz.

Jhon ofereceu uma maçã e como a primeira moça ela também ficou surpresa, mas aceitou de imediato. Novamente ele jogou a mochila nas costas e disse:

— Venha comigo, espalhe suas sementes por outros lugares, quem sabe consigamos tornar o mundo um pouco mais belo. — Ele já tinha percebido o grito por socorro no olhar dela, a jovem olhou para a cabana, para a terrível solidão e por fim fixou-se nas flores. Sorriu.

— Você permitiria que eu fosse com você?

— Não precisa da minha permissão. Agora somos todos livres, esse é um novo mundo. Cruel, mas felizmente não é o fim.

— Você acha que ainda há esperança?

Ele lembrou do sorriso da moça jogando a garrafa d’água, das crianças felizes mandando beijos, do maravilhoso amarelo das flores e viu os olhos da bela jovem na sua frente, sua beleza contrastando com as vestes sujas. Respondeu sentindo um alívio no coração:

— Sempre há esperança!

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

Qual elenco você escalaria para a série “O Nome do Vento”?

Como sempre, publiquei primeiramente no Kalango Atômico, confira.

Desde que nós anunciamos com exclusividade no Brasil que a a 20th Century Fox irá transformar a série literária A Crônica do Matador do Rei em série literária, os fãs tem discutido nos fóruns virtuais de todo o mundo quais atores seriam mais adequados para cada papel.
Bridget McGovern  colunista do Tor.com elaborou uma lista interessante de atores para os papéis.  Reproduzo abaixo alguns com um alerta, se você é daqueles que gosta de usar sua própria imaginação para formar os rostos dos personagens, é melhor parar por aqui.
Patrick Rothfuss  já havia dito o nome de alguns atores que casariam bem com seus personagens. Em 2008, ele imaginou Natalie Portman como Denna, por exemplo, Morena Baccarin como Fela e Neil Patrick Harris como Bast.
O que você acha dessa seleção?
Bem, então vejamos que o Tor.com escalou para os representantes desse magnífico universo.
Comecemos pelo personagem principal Kvote. Ele trás um problema, sua história é dividida em diferente linhas temporais, todas marcantes e com características próprias, portanto, isso exige ótimos atores para representá-lo. Outra questão abordada por Bridget e importante destacar, é que o personagem é uma criança que tornar-se adolescente e chega a idade adulta, por isso o ator não pode ser muito jovem, devido há algumas situações adultas em que ele se envolve (por exemplo Felu… os entendedores entenderão), mas também não pode ser muito velho, pois há os flashbacks infantis, portanto o mais provável é que seja escalado três atores para o papel.
Eis as apostas:
Kote (no Marco do Percuso) seria Tom Hiddleston
kote Tom Hiddleston
Kvothe (em sua juventude) ficaria com Matthew Beard
kvote
Bast ficaria por conta de Robert Sheehan
robert_sheehan-1920x1200
O Cronista Devan Lochees seria ninguém menos que Hugh Laurie
cronista
Que mais poderia interpretar o odiado Ambrose além de Harry Lloyd?
ambrose
A linda Denna ficaria com a maravilhosa Emilia Clarke
denna
Mestre Elodin ficaria por conta de Lee Pace
elodin
Exa Dal seria interpretado por David Tennant
exa dal
Simmon seria de William Moseley
simmon
Wilem ficaria com Elyes Gabel
willem
Fela seria de Jessica Brown Findlay
fela
Auri seria interpretada por Saoirse Ronan
auri
Devi seria de Dakota Blue Richards 
devi
Conde Threpe casaria com Jim Broadbent
conde
O enigmático Maer Alveron ficaria para Richard Armitage
maer
Lady Meluan Lackless ganharia vida em Eva Green
meluan
A magnífica e lendária Feluriana ficaria para India Eisley
feluriana
Eu particularmente gostei. Robert Sheehan daria certo como Bast assim como Emilia Clarke como Denna, com um detalhe, Denna é uma pessoa cativante, e a linda Emilia teria que ralar um pouco para conseguir exalar o fascínio que Denna transpira. O mais perfeito é Harry Lloyd como Ambrose, é exatamente como imaginava. Apesar de achar que casa com as descrições achei India Eisley muito nova para Feluriana, apesar de ela ser tão linda quanto a mitológica encantada.
E Vocês o que acharam?  Lembrando que essa não é uma lista oficial e sim especulação.

Irracionalidade

Dizem os sábios que o coração não possui sentimentos, que tudo está incutido em nosso cérebro.

— Pobres incrédulos!

Nada versam sobre o amor. Nunca sentiram aquela aceleração que nos faz suar, tremer ficar ofegante. Nunca o tiveram apertado ao peito, contrito diante da saudade. Dolorido perante a perda.

— Pobres incrédulos! Insensíveis!

Em toda sabedoria desconhecem que, quando o amor vem o cérebro é um chato! Um incoveniente que pensa demais, hesita, tem medo! Sempre o racional acovarda-se!

Do contário, é o coração, (sim, aquele que teoricamente nada possui) que nos impulsiona, que exige atitude, que implora sentimento.

Se isso é ser irracional, abraço a irracionalidade sem medo, pois a razão pode ter construído a humanidade, mas foi o amor que fez as maiores maravilhas.

Jefferson Nóbrega

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Saiu os nomes dos finalistas do World Fantasy 2013


World Fantasy Award é a principal premiação da ficção especulativa e, devido sua magnitude, demonstra para nós quem são aqueles que podem reinar no mundo da Literatura Fantástica. Uma coisa é certa, todos que são premiados no World Fantasy Convention tornam-se sucesso no meio literário. Para se Ter uma idéia entre os vencedores estão Neil Gaiman e George R.R. Martin. Portanto, mantenham seus olhos fixos nos indicados e estejam atentos para a premiação que ocorrerá dia 03 de novembro. Segundo o Tor.com os juízes Holly Black, Tom Clegg, Marc Laidlaw, Stephen Leis, e Stephanie Smith esse ano fizeram as seguintes indicações ... para conferir acesse meu artigo no Kalango Atômico.

terça-feira, 13 de agosto de 2013

“Você não sabe nada, Jon Snow” – Primeira ilustração do calendário Game of Thrones

Novamente venho com uma notícia em primeira mão (to ficando bom nisso hehehe). Artigo escrito para o Kalango Atômico onde agora sou colunista. Acesse e conheça.


O premiado ilustrador Donato Giancola, conhecido mundialmente por seu extenso trabalho com os personagens e temas da Terra Média de Tolkien, foi contratado para pintar o calendário de Game of Thrones para o ano de 2015 (já!?).
Frodo sendo torturado na Torre Cirith Ungol. Imagem de Donato Giancola / Fonte: Donatoart
Frodo sendo torturado na Torre Cirith Ungol. Imagem de Donato Giancola / Fonte: Donatoart
Donato postou um esboço da sua arte com o título de “Você não sabe nada, Jon Snow” no blog Muddy Cores, a imagem mostra Jon e Ygritte em uma das cenas da “A Tormenta de Espadas”. Empolgado com o novo trabalho o artista escreveu: “O mundo de George é tão rico e variado que eu gostaria que houvesse 36 meses no ano”.
Jon e Ygritte de Donato Giancola / Fonte: Muddy Cores
Jon e Ygritte de Donato Giancola / Fonte: Muddy Cores
Se Donato trabalhar nesse projeto como fez com o universo de Tolkien, podemos esperar um esforço do artista para distanciar-se dos personagens e cenários exibidos na televisão, pois essa é uma de suas características principais.
Eowyn enfrenta o Nazgúl - Ilustração de Donato Giancola / Fonte: Donatoart
Eowyn enfrenta o Nazgúl – Ilustração de Donato Giancola / Fonte: Donatoart
Uma coisa é certa, tendo em vista suas representações da Terra Média e seus habitantes, nós fãs das Crônicas de Gelo e Fogo podemos esperar com empolgação pelas belas obras que virão.
Para conhecer mais a arte do ilustrador acesse seu site http://www.donatoart.com/gallery/